RSS

Arquivo da categoria: Visão de mundo

Dor e medo?

Qual tem sido sua dor? Qual o tamanho da sua dor ? Ela tem conseguido tirar sua paz ? Na verdade ela não tira sua paz, outro sentimento tem tirado sua paz e o nome dele é medo, afinal o medo é seu companheiro inseparável junto é claro com a desesperança. É o medo que torna essa dor interminável, afinal quantas dores nós supervalorizamos por termos a ilusão de que nunca terminarão ?

Talvez por não nos conhecermos tão bem quanto deveríamos nos deixamos dominar, não pela dor mas pelo medo que é pior, pois ele nos aprisiona em uma ilusão, a ilusão de um mundo falso, irreal, ou melhor, PERFEITO! Distanciando-nos da realidade onde quem está bem vive a dor. Então não temos escolha ou vivemos com a dor ou com o medo, é sempre uma escolha, viver é uma escolha diária! Como poderia ser diferente, temos escolhido a dor ou o medo? O real ou a ilusão?

Muitas vezes nos encontramos controlados pelo medo, medo de não sermos tão perfeitos quanto pensam que nós somos e quanto nós mesmos pensamos que somos. Temos que parecer sempre sociáveis, por mais que a dor esteja batendo prefirimos ignorar.  Por mais que tenhamos a ilusão de que ela foi de vez embora, ela reaparece e as vezes com força total, bem no ponto fraco onde irá fazer mais estrago, então vem a escolha medo ou dor, não temos como evitar a dor, nós só a sentimos e senti-la é o primeiro passo para enfrentá-la e acredite mais que isso entregá-la, compartilhando-a com Deus.

Tentamos manter uma distancia confortável de nossas dores, ignoramos, nos afastamos e nos fingimos de desentendidos, mas no fundo ela continua a nos incomodar e com ela é claro o medo, o medo de sentir-la de novo, medo da incompreensão e sobretudo o maior medo do ser humano a solidão, que nos coloca a beira do abismo ao invés de a superarmos com o Filho que sentiu as piores dores até mesmo a dor da solidão, e por fim superou a morte.

Em nossa vida sempre sentimos dor e sempre a sentiremos, até que encontramos alguém para compartilhar toda nossa história de lágrimas, que nos dá sua mão para caminharmos até o Fim! Ainda que este fim seja fazer uma longa caminhada na beira da praia, unicamente para lembrarmos que o mesmo que traz as ondas é o que nos motiva a caminhar, e no final nos convida a apenas nos sentarmos e ficar em silêncio admirando Seu agir.

 
1 comentário

Publicado por em maio 31, 2010 em Visão de mundo

 

Davi

Todos nós sabemos que Michelangelo foi um gênio de sua época e até hoje desperta admiração única. Estudando sobre suas obras, em seu documentário ano passado me deparei com a seguinte afirmação de um historiador:

Michelangelo dizia que sua criação lutava para se libertar da pedra, chegando a declarar que: ” Só tirava as sobras, pois a estátua já estava lá”.

 Esta frase tem me intrigado, e percebo instantâneamente duas características de seu autor, Michelangelo confiava totalmente em sua capacidade como escultor, artista e criador, e a segunda tão importante quanto a primeira, ele compreendia totalmente sua criação, não como apenas um material com uma utilidade, como um oleiro que fabrica uma vasilha apenas para armazenar água, ou um artista que busca apenas a admiração de sua obra, seria muito ínfimo e não é essa a idéia que a frase transmite, era como se sua criação possuísse  VIDA, como ele relata, “ ele lutava para se libertar da pedra”, ele apenas a ajuda retirando as sobras,lapidando-o.

Davi lutava para se tornar quem ele realmente era, mesmo quando ainda era apenas um grande bloco de mármore disforme, isso era o que se passava na cabeça de Michelangelo durante três anos, até que Davi tomou sua forma completa em 1504, no pátio da catedral de Santa Maria Del Fiori em Florença na Itália.

Davi sabia o que iria se tornar e tentava se libertar da pedra, porque esse era o único jeito de sê-lo ao passo que Michelangelo o estava lapidando também sendo quem era, O criador, um trabalho conjunto em unidade entre criação e  criador.

Será que sabemos realmente em que estamos nos tornando? Ou de qual pedra estamos nos libertando ?

Ps: Sim namorada! Eu pensei em nosso Davi..rs;

 

 
1 comentário

Publicado por em maio 7, 2010 em Visão de mundo

 

A Criança

 

Você é uma criança

 

MT 5:8 Bem aventurados os limpos de

coração, porque eles verão a Deus.

Nada além de um criança vem em minha cabeça quando penso em um coração limpo… A criança crê. Quem nunca teve medo quando era criança de algum monstro mirabolante inventado por nossas mães ou em livros que lemos ? Ou quem não tinha um ideal de vida que beirava a felicidade eterna ? Ou em ser um cavaleiro de um reino distante, e enfrentar qualquer coisa com sua espada? Pois bem eu até hoje acredito! Não fique espantado pois o monstro mirabolante existe, e ele é bem real, a espada é afiada e o reino não é tão longe assim. Desde criança possuimos a inocência e a pureza de acreditarmos nisso e quando crescemos somos destituidos deste mundo, por decepções, por essa realidade trágica, de assassinatos, mortes, traições em que todos parecem viver, pois isso é o “Normal”.

Nesta sociedade, quem cometer um erro ou não estar atualizado com o mercado é o mesmo que assinar sua sentença de morte dentro da empresa, mas mentir e roubar é sinônimo de esperteza, afinal você saiu no lucro, Parabéns! E o pior erro que podemos cometer é nos acomodarmos neste conceito de normal, pois esse normal nos acomoda, e passamos a ver a nossa vida como vemos um filme. Parados, apenas imóveis esperando o filme terminar,  parece que nada mais é novidade, e esse foi o erro, nos tornarmos espectadores do sofrimento, espectadores do medo, espectadores do que é normal. A criança não aguenta ser espectadora, seria muito chato para ela. Ela quer viver, quer ajudar, quer contribuir. Acredite você pode fazer algo, começando por fazer em você. A criança não age como Pedro agiu (Mc 14:29) Pedro: Ainda que todos se escandalizem, nunca, porém, eu( Na passagem em que nega Jesus). Ele confiou mais em si mesmo do que em Jesus, e todos sabem que ele falha não só uma, mas três vezes, acreditando mais em sua força, do que nas palavras que sairam da própria boca de Deus, talvez por vergonha de si mesmo, de sua fraqueza como homem. Só uma pessoa com o coração limpo mergulha na aventura diária de conhecer em que está errando e assim mudar, crescer, dar frutos, caminhar em direção a uma vida abundante que não quer dizer uma vida sem problemas. Admitir é o primeiro passo para tornar-se forte. A criança admite pois reconhece suas necessidades, seus medos, falhas e fraquezas, afinal, são muito nítidos, mas quando crescemos eles não são mais nítidos, alguns deles acabaram, mas a maioria continua lá escondido, com medo e com vergonha de aparecerem, afinal, somos adultos, não podemos errar e se errarmos não somos recebidos com abraços, e sim com apatia, no momento em que mais precisamos de alguém,  abandonamos nossas necessidades básicas que só podem ser supridas diretamente pelo único que é uma fonte incessante e abundante de água viva.Só homens corajosos conseguem tornar-se crianças, tornando-se assim verdadeiros homens.Faça como a criança que ainda não conhece seu próprio caminho e seja guiada pela mão de seu Pai.

 
1 comentário

Publicado por em maio 3, 2010 em Visão de mundo

 

Gospel x Cristianismo

Hoje, como as pessoas não conseguem nem ser nem ter, o objetivo de vida se tornou parecer. As pessoas parecem que sabem, parecem que fazem, parecem que acreditam. E poucos são humildes para confessar que não sabem. Sempre mais preocupados com a aceitação e aprovação dos outros, preocupados em parecer ser, não em ser.

Eu tenho visto que as palavras ajudar e servir tem adquirido outros significados em nossa cultura que se preocupa ao máximo em distanciar-se dos reais problemas do outro, apenas dando o que quer dar e não o que o outro realmente necessita. Afinal isso implica em tempo e problemas já temos os nossos. Lembrem-se desta frase de Jesus “O meu mandamento é este : Amai-vos uns aos outros assim como eu vos amei”. João 15:12.

Não devemos permitir que estes ideais alcancem nossa igreja, esta cultura gospel que poderia dar grandes frutos, afinal grandes poderes geram grandes responsabilidades, deveria assumir uma papel não somente de canções religiosas, mas de mais ações humanas positivas.  Eu sei que a crítica não constrói nada, mas a minha preocupação primeiramente é destruir este caminho que muitos estão escolhendo, para voltarmos ao ponto em que a simplicidade e  sinceridade nas orações, louvores e principalmente em ações predominavam.

“Resumidamente dar nossa vida, nosso tempo aos outros em serviço.”

Isso implica em um crescimento moral e pessoal, e consciência de si mesmo e consequentemente do outro, para compreender a real necessidade do outro, como cristãos esse é o nosso dever,  falando mais amplamente da situação, todos tem sido informados do número de mortos registrados que subiu para 251 esta quarta-feira segundo boletim divulgado pelo Corpo de Bombeiros, fora a quantidade de desabrigados pela enchente.

E eu penso comigo, para onde vamos quando temos problemas durante um dia ? Penso logo em ir para a casa, esfriar a cabeça e descansar, mas e quando nosso maior problema é que nossa casa DESMORONOU? Para onde vamos ?

Não é só a casa que desmorona, o sentimento é que toda nossa vida, toda a segurança  desmoronou junto com a casa e me pergunto onde está todos esses artistas e ungidos de Deus?

 
Deixe um comentário

Publicado por em abril 15, 2010 em Visão de mundo

 

Amor

O amor molda-se a necessidade do outro.

Partindo do inicio, é incrível como Deus molda certos planos que nós mesmos criamos para nos ensinar coisas importantíssimas, partindo de momentos e situações simples, como uma filha e um pai;

Entrando no ônibus depois de ter assistido a um filme no Norte shopping em caminho para casa com minha namorada, começamos a conversar e rir sobre o filme que assistimos. Vejo então um pai de terno com sua filha de colo com mais ou menos três anos sentados em um dos bancos perto de onde estávamos. Ele começou a brincar com a filha de um modo muito carinhoso, não demonstrava cansaço ou exaustão depois de um dia inteiro de trabalho e não a deixou de lado em nenhum momento. Ele só estava unicamente preocupado em brincar com sua filha, em abraçá-la, em demonstrar que estava inteiramente ali, tanto de corpo quanto de alma, parecia que não havia problemas em sua vida, seu único problema era não ver o sorriso de sua filha.Parecia que tinha trabalhado o dia inteiro contando os minutos só para encontrar com sua filha e em qualquer lugar que fosse seria o instante mais feliz de seu dia, mesmo em um ônibus lotado.

Quando eu os percebi, prestei bastante atenção. Não sabia o motivo, mas depois descobri, com toda a complexidade que tudo que é real carrega, aquele instante me ensinou que o verdadeiro amor molda-se a necessidade de quem se ama, aquela filha possuía um nítido problema em seus olhos, ele a beijava, a abraçava, brincava, queria que ela soubesse que ele estava bem perto,mais que isso ele queria que ela ENXERGASSE isto.

Assim como ela enxergou o pai através deste amor, eu enxerguei o meu Pai celestial por este mesmo amor.

“O amor não é o bastante necessita-se de caridade”        C. S. Lewis

 
1 comentário

Publicado por em março 30, 2010 em Visão de mundo